Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Último Reduto

O pensamento é o meu refúgio, o último reduto daquilo que sou.

Último Reduto

O pensamento é o meu refúgio, o último reduto daquilo que sou.

Échappées Belles

Vivemos numa nova escravatura. A nossa liberdade é condicionada durante pelo menos oito horas diárias impiedosamente. A sociedade encara isso como uma normalidade. Esta necessidade de se trabalhar tantas horas diárias com o objectivo da sobrevivência é ridícula e já devia estar ultrapassada. Para além do que nos rouba, este excesso de número de horas a trabalhar, para além de não se resumir a uma remuneração digna, ainda nos aniquila física e intelectualmente para o restante período que temos até à cama. Como pode isto ser sustentável senão antes um factor para o desenvolvimento de doenças. Como podemos encontrar o bem-estar e o aumento da qualidade de vida, quando vivemos virados excessivamente para o aumento produtivo, económico, do PIB e do que ao dinheiro diz respeito. Já não se vive para os outros e para nós próprios, as pessoas deixaram de ter importância. Importa a criação de riqueza, os números da economia, a produção de riqueza mundial, que terá de ser sempre em crescendo e nunca uma posição estável, com maior equilíbrio e distribuição por todos.

Não obstante da obrigação de ficarmos presos durante longas jornadas diárias, as condições que nos oferecem para trabalhar são também menosprezadas. As temperaturas estão em crescendo, e com este calor excessivo até para um Verão, muitos dos espaços de trabalho não são climatizados. Eu por mim falo, que ao trabalhar com máquinas industriais estou sujeito ao aquecimento dos seus motores. Certo é que os robots que controlo não se queixam. São aliás a personalização daquilo que querem que nos tornemos. Produção em massa, sem dor nem calor.

Chego a casa e meto-me debaixo do chuveiro. Com os olhos fechados imagino-me debaixo de uma cascata rochosa cheia de vegetação à volta. Se a companhia das águas imaginasse a sensação tropical que este banho de chuveiro me dá, não perderiam tempo a subir-me o valor da tarifa da água. A mesma paisagem paradisíaca já me fora outrora apresentada pelo Échappées Belles, programa de viagens produzido pela televisão francesa. Muito do que me lembro debaixo da água do chuveiro vem daqui. E se hoje foi numa cascata, amanhã pode bem ser debaixo de uma chuva intensa numa floresta tropical. Ainda não nos cobram pelo mundo que criamos dentro de nós.